As Olimpíadas do Rio 2016 soterraram o impeachment

26 Aug 2016 por Fernando Meireles


No último dia 10 de agosto, o Senado Federal aprovou o relatório final do Sen. Antônio Anastasia (PSDB-MG) sobre o processo de impeachment da Presidenta afastada Dilma Rousseff. Mas, ao contrário das etapas anteriores, este passo não parece ter tido tanta repercussão, principalmente nas redes sociais. Em parte pela presteza da oposição, estas etapas finais do processo acabaram coincidindo com os jogos olímpicos do Rio – o que pode ter servido perfeitamente para dissuadir a discussão sobre elas.

Uma forma de visualizar isto seria comparar o interesse da população pelo impeachment e pelas olimpíadas. Ao invés de usar um survey, uma alternativa mais simples é fazer isto por meio das pesquisas no Google.. Como se sabe, este é um site de consulta quase compulsória dos usuários de internet, que o utilizam para pesquisar desde preços de mercadorias até temas do momento. Nos Estados Unidos, alguns pesquisadores inclusive já usaram estes dados para fazer predições sobre os resultados de eleições (os cidadãos tendem a pesquisar candidatos da sua preferência, o que, por sua vez, serve como dado de predisposição ao voto). Neste post, uso o pacote gtrendsR, do R, para coletar as informações sobre as buscas feitas no Brasil pelos termos “impeachment” e “olimpiadas”.

Primeiro, começo comparando o total de buscas pelos dois termos desde de fevereiro de 2016.

O termo “impeachment” não chega nem perto da popularidade do termo “olimpiadas” nos últimos meses (aqui há uma explicação sobre como o google trends calcula a popularidade de dois ou mais termos). E o mesmo acontece quando colocamos os nomes “dilma” e “temer” na comparação:

Ou quando comparamos “olimpiadas” e “eleicoes municipais”:

O mais interessante, contudo, é que mesmo no dia exato da votação do relatório no Senado (dia 10 de agosto, indicado pela linha vertical pontilhada), as buscas por impeachment ficaram muito atrás das olimpíadas:

O que tudo isto significa? A princípio, nada. Pode ser que os dois fenômenos não tenham relação. Mas também pode ser que tenham, isto é, que o tempo que os usuários do google dedicavam para se informar sobre o impeachment foram realocados durante as Olimpíadas. Em qualquer um dos casos, o mais alarmante é que, mesmo com o fim dos jogos, na internet o interesse pelo destino final do cargo de chefe de governo no Brasil continua praticamente inexistente.


« electionsBR: Exportando dados eleitorais do R para o Stata
Estimando regressões logísticas no R (com razão de chance) »